POR vcoqueiro, 06 mai 2016, 18H46

Ensino de História e Cultura Africano-Brasileira para Docentes Quilombolas e de Comunidades Terreiros

RESUMO: Este é um desdobramento das atividades do RECÔNVESUL: Grupo de Estudos em Educação, Diversidade Cultural e Patrimônio Material e Imaterial do Recôncavo e Baixo-Sul da Bahia, o qual tem buscado através de estudos e discussões em congressos e nos cursos de extensão, valorizar a diversidade cultural e o patrimônio cultural de populações, que por muito tempo foram silenciadas e excluídas dos currículos escolares, fortalecendo as bases de formação dos docentes. Dessa maneira, o objetivo da proposta, aqui apresentada, é a promoção de discussões acerca da ancestralidade do povo negro e a sua trajetória histórica no Brasil, com vistas à formação continuada do educador. O trabalho vem propor uma reflexão acerca da necessidade urgente de se repensar a prática educativa hoje, no que diz respeito ao ensino da História da África e da Cultura Afro-Brasileira na educação básica, se inscrevendo no domínio mais amplo do fortalecimento da Lei 10.639/2003, e em particular, na formação continuada de professores que atuam em comunidades quilombolas e em comunidades terreiros. Trata-se de curso de formação definido como processo sistemático de reflexão teoria-prática-teoria e análise dos impactos positivos desta formação em contextos geradores de aprendizagens de crianças e jovens quilombolas e de terreiros e a perpetuação e fortalecimento dos saberes destas comunalidades. As relações de trabalho desses profissionais são redefinidas na medida em que se incorporam ao seu cotidiano a investigação científica e a pesquisa. A formação tem a duração de 180 (cento e oitenta) horas e será oferecida para cerca de 50 (cinquenta) professores cursistas. A metodologia adotada contemplará teoria e prática, com aulas divididas em III módulos, e ao final do curso, as experiências vivenciadas pelos cursistas serão apresentadas em forma de projeto/oficina. Nessa perspectiva, discutiremos como na história da educação brasileira, a ausência de uma reflexão sobre as relações raciais no planejamento escolar tem impedido a promoção de relações interpessoais respeitáveis e igualitárias entre os agentes sociais que integram o cotidiano da escola. Fundamentado nos estudos de Nóvoa (1992), Luz (2000), Munanga (2005; 1996), Macedo (2013; 2010; 2007), Candau (2008; 2005), Cavalleiro (2011; 2001), Freire (1996), este curso, além de agregar esforços junto a outras ações que vêm sendo desenvolvidas neste Centro Acadêmico, buscando a sua consolidação como um importante polo de Ensino, Pesquisa e Extensão, traz reflexões referentes à formação continuada do educador quilombola e de terreiro como sendo uma prioridade em qualquer proposta de reforma educativa.

COORDENADORA: Profª. Ma. Mille Caroline Rodrigues Fernandes


Em Destaque