POR Ascom/Matheus 70, 06 jan 2012, 13H56

Campus XXIV vai ganhar residência estudantil; biblioteca será ampliada em 150%

Wânia Dias
Núcleo de Jornalismo
Assessoria de Comunicação


2_DI

Capacidade da biblioteca será ampliada de 200 para 500 usuários por dia. Fotos: Arquivo/Ascom

O Campus XXIV da UNEB, em Xique-Xique, abre o ano de 2012 planejando grandes ações. A administração central da universidade vai investir na unidade cerca de R$ 1 milhão em infraestrutura e aquisição de novos equipamentos.  

Entre as obras previstas para este ano, a ampliação da biblioteca local − que terá sua capacidade de usuários aumentada em 150% − é uma das prioridades.

anfiteatro

Construção do anfiteatro para 300 pessoas está adiantada. Espaço será inaugurado em março

“Serão construídos novos gabinetes para estudo individual, saltando de 200 para 500 o número de pessoas que poderão utilizar as instalações diariamente”, pontuou João Rocha, diretor do Departamento de Ciências Humanas e Tecnologias (DCHT) do campus.

João afirma que este ano também serão finalizadas a construção do anfiteatro − com capacidade para 300 pessoas e inauguração prevista para março − e a primeira residência universitária do campus.

“A residência vai beneficiar diretamente cerca de 60 estudantes carentes”, sinalizou o diretor, ressaltando que o terreno de 400 metros quadrados onde está sendo construída a casa estudantil foi doado pela prefeitura de Xique-Xique.

João Rocha informou ainda que o curso de engenharia de pesca, criado no ano passado, será contemplado com mais dois laboratórios.

Novos cursos: engenharia ambiental e ciências da natureza

O departamento planeja também para 2012 a criação de duas novas graduações: o bacharelado em engenharia ambiental e a licenciatura em ciências da natureza.

Os projetos dos cursos já foram encaminhados à Pró-Reitoria de Graduação (Prograd) da UNEB para avaliação e devem ser apreciados pelo Conselho Universitário (Consu) da universidade no segundo semestre deste ano.

1JR

João Rocha espera que as novas graduações já sejam oferecidas no Vestibular 2013 da universidade

“Temos um grande déficit de professores de física, biologia e química na região. A criação da licenciatura em ciências da natureza vai suprir essa demanda, qualificando docentes para lecionarem nessas áreas. Já o curso de engenharia ambiental visa formar profissionais aptos a desenvolverem ações que contribuam com projetos de revitalização do Rio São Francisco”, explicou o diretor João Rocha.

O bacharelado conta com o apoio da prefeitura municipal e da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codesvasf), vinculada ao Ministério da Integração Nacional.

De acordo com o diretor, as novas graduações vão utilizar a mesma estrutura física do curso de engenharia de pesca, que conta atualmente com quatro laboratórios, cinco salas de aula e oito hectares com tanques-rede para pesquisa.

“Todo o planejamento tem sido feito em função da estrutura que já possuímos aqui no departamento. A estratégia é otimizar a utilização dos nossos recursos, agilizando a realização de novos investimentos”, explicou o diretor.

2011: área de convivência e ampliação do laboratório de informática

No ano passado, o Campus XXIV tocou diversos projetos, que demandaram investimento de R$ 1,6 milhão, proveniente da administração central e da prefeitura municipal.

Exemplo disso foi a criação do curso de engenharia de pesca, que representou um importante avanço para a região de Xique-Xique, banhada pelos rios São Francisco, Verde e Grande, configurando-se na maior bacia pesqueira de peixes nativos do Velho Chico.

5_300

Em 2011, o departamento ampliou também a capacidade do laboratório de informática

Para a implantação da graduação, o departamento contou também com o apoio da prefeitura de Xique-Xique e da Codevasf, e das secretarias estaduais do Meio Ambiente (Sema) e de Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária (Seagri).

Além das intervenções para garantir a qualidade do novo curso, o departamento inaugurou uma área de convivência com três quiosques, ampliou de 30 para 50 usuários a capacidade do laboratório de informática e adquiriu acervo bibliográfico para os cursos de engenharia de pesca e de letras e para as licenciaturas oferecidas por meio do Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica (Parfor), do Ministério da Educação (MEC).

“O ano de 2011 foi muito produtivo para o nosso campus também no que diz respeito a atividades acadêmicas, a exemplo do congresso internacional Xirê das Letras, que reuniu cerca de mil pessoas de várias nacionalidades para discutir literaturas e línguas africanas”, lembrou João Rocha.

O campus, que conta com 500 estudantes matriculados e dispõe de uma infraestrutura com 11 salas de aula, sete laboratórios e biblioteca com acervo de quatro mil exemplares, oferece atualmente as licenciaturas em letras com língua portuguesa e literaturas, pedagogia, geografia e história, além do bacharelado em engenharia de pesca.

Imagem (home): Reprodução, com arte de Larissa Pimenta/Ascom


  • No Related Post


Envie uma mensagem:



Em Destaque