POR kamilla, 17 out 2016, 08H49

I Seminário de Mídias Digitais e Software Livre em Conceição do Coité

Mesa de abertura

O I Seminário de Mídias Digitais e Software Livre (Semdsl), promovido pelo Departamento de Educação Campus XIV e coordenado pela professora do curso de Comunicação Social, Pricilla Andrade, é um evento atrelado ao projeto de pesquisa e extensão Web Rádio na UNEB e ao grupo de pesquisa Formação, Experiência e Linguagem (Fel).
I SemdslCom o objetivo de apresentar, avaliar e refletir sobre o cenário contemporâneo nas áreas que envolvem a educação, mídias digitais e os usos do software livre, discutiu-se o papel da tecnologia enquanto processo que, além de presentes e importantes em todas as áreas do conhecimento humano, hoje integra cada vez mais o cotidiano da sociedade atual. O seminário, que teve uma proposta interdisciplinar, também discutiu o uso de software livre no ambiente acadêmico para a produção de conteúdos educativos.
A abertura contou com a presença da diretora do departamento, professora Rosane Vieira, a professora coordenadora do Colegiado de Comunicação Social, Carolina Ruiz e a secretária de educação de Conceição do Coité, Perpétua Sampaio. A professora doutora Cíntia Inês Boll (Ufrgs) apresentou a conferência A Linha (I)Móvel das tecnologias Visibilizando Múltiplos “Eus” (Des)Compor(A)tados. Cíntia Inês Boll
Cíntia Boll também ministrou a oficina Ensine e Aprenda na Escola Criando o seu Aplicativo – BYOD (Bring Your Own Device).
Como as tecnologias podem radicalizar o campo da educação? Para Cíntia Boll: “pode radicalizar porque entra com a linguagem não verbal no espaço escolar para ajudar na compreensão dos conhecimentos, na construção da aprendizagem como outro processo comunicativo que não só giz, caderno”.
Para a professora Luciana Oliveira (Ufba), que apresentou a web rádio da Faculdade de Educação (Faced/Ufba), “o trabalho com a tecnologia tem que ser realizado no dia a dia [...] tem que ter máquinas boas, uma banda larga boa, porque a internet usada na Bahia não é. Precisamos de uma estrutura tecnológica compatível com a necessidade da juventude que nós atendemos nas escolas”.
Antônio Carlos MarquesO professor da rede de educação básica e pública do Paraná, Antônio Carlos Marques, ministrou a palestra Educação e Software Livre: “a escola tem que discutir isso, podemos radicalizar a democracia, usar os smartphones, os tablets, os consoles de videogame na escola, mas sem abrir mão do conhecimento historicamente produzido. Radicalizar em busca do conhecimento”.
No último dia do evento (7), as professoras Lílian Almeida (UNEB) e Andrea Mascarenhas (UNEB) ministraram a oficina App Sketch: Letra Bordando Imagem – Uma Livre Proposta de Criação Literária. O Bacharel em Comunicação Social, Will Andrade (Uesc), ministrou a oficina Web-Rádio: Idealização,Will Andrade Montagem e Execução com Software Livre. Para Will Andrade “as novas tecnologias da comunicação e da informação radicalizam por si só depois que foram disponibilizadas de uma forma mais interessante, principalmente com o uso da internet, através da internet e das tecnologias começou-se a descobrir um mundo novo”.
O encerramento do seminário contou com a apresentação musical de Milena Sant’Ana, Jackson Santos e Dó Nascimento, e com a mesa-redonda Movimentos Sociais, Gênero e Tecnologia, ministrada por Kívia Carneiro (Moc) juntamente com a professora Vilbégina Monteiro (UNEB): “tecnologia é linguagem, e a educação é um processo de apropriação e expressão dessa linguagem. Conhecer a cultura contemporânea que hoje é uma cultura digital, perceber como se dá essa relação e como essa relação acontece na e através das tecnologias é essencialmente um processo pedagógico, logo educativo. Radicalizar a educação passa pelo conhecimento dos mecanismos, do funcionamento dessa própria tecnologia”.




Envie uma mensagem: