POR maneto, 29 mai 2012, 14H27

RAROS E POLÊMICOS

E, especificamente, sobre a morte de Carlos Marighella, no documento

confidencial diz o general Milton Tavares de Souza:

“ Cerca das 1600 horas do dia 4 de novembro, Frei IVO, que fora mantido

trabalhando sob vigilância do DEOPS/SP, na Livraria DUAS CIDADES, da

Ordem dos Dominicanos, em SÃO PAULO, recebeu telefonema de

CARLOS MARIGHELLA marcando um encontro às 2000 horas do mesmo

dia na alameda CASA BRANCA, em frente ao nº 806, local habitual de

contato do líder principal do terrorismo no país, com os Freis IVO e

FERNANDO. Lá, já haviam tido aproximadamente 10 encontros.

f. O DEOPS/SP montou um dispositivo de cerco e conduziu para o local do

encontro os Freis IVO e FERNANDO, ficando na expectativa da chegada de

MARIGHELLA que, no horário previsto, subiu a alameda CASA

BRANCA, aproximou-se do carro dos freis e nele penetrou, ocupando o

assento traseiro. Neste exato momento, obedecendo à ordem de comando, a

equipe do DEOPS/SP, que se encontrava nas imediações do carro, dele se

acercou, dando voz de prisão a MARIGHELLA e ordenando que ele saísse

com as mãos para o alto.

Conforme ficara combinado, os freis saltaram do carro, mas

MARIGHELLA não obedeceu à ordem recebida e tentou abrir uma pasta

que portava, onde havia um revólver TAURUS calibre 32, sendo alvejado

pelos policiais, vindo a falecer no local.

Verificou-se, então, intenso tiroteio, afirmando os agentes da lei que foram

alvo de disparos, possivelmente por parte de elementos da cobertura de

MARIGHELLA,  a qual, no entanto, não foi identificada. Terminado o

tiroteio verificou-se que haviam sido feridos o Delegado de Ordem Social

do DEOPS/SP – RUBENS CARDOSO DE MELLO TUCUNDUVA – e a

investigadora ESTELA BORGES MORATO do SS/SEOPS/SP que faleceu

posteriormente. Também foi morto na ocasião o dentista FRIEDRICH

ADOLF ROHMANN que sofria de neurose de guerra, razão porque, ao

ouvir o tiroteio, teve um desequilíbrio nervoso e tentou romper o bloqueio 7

policial, sendo confundido com elemento da possível cobertura de

MARIGHELLA.

Em poder de CARLOS MARIGHELLA foram encontrados alguns

rascunhos, miudezas, cerda de 1.000 dólares americanos, duas cápsulas de

substância ainda não analisada e um molhe de chaves,  através do qual a

polícia procurará localizar os “aparelhos” onde ele se homiziava.

Os rascunhos encontrados são os constantes do ANEXO 2.

No ANEXO 3, apresentamos uma análise desses documentos, realizada

pela 2ª Seção do II Exército.”

Em Destaque