POR Ascom/Wania Dias, 16 nov 2015, 11H29

Cultura e produção literária da periferia tematizam conferência do 5º Elluneb

Leonardo Barbosa
Núcleo de Jornalismo
Assessoria de Comunicação

x

O evento contou com exposições de fotos de Javier Escudero e Ricardo Barreto. Fotos: Cindi Rios/Ascom


A escritora, crítica literária e pesquisadora, Heloísa Buarque de Holanda (foto home), esteve na UNEB, no último dia 12 de novembro para ministrar a conferência de encerramento do 5º Encontro de Leitura e Literatura da UNEB (Elluneb).

Heloísa falou as produções literárias periféricas e destacou o poder político desse tipo de literatura, sobretudo no Brasil.

“É importante mostrar a ascensão de uma literatura onde o autor é muito comprometido com o seu entorno, uma função social nova para a literatura, que forma cidadãos e leitores ao mesmo tempo. A universidade necessita das periferias, dos saberes que vem de lá. E a UNEB é uma instituição privilegiada por estar inserida em uma periferia”, pontou a professora da UFRJ.

O impacto das novas tecnologias digitais na produção e no consumo da cultura também tematizou a conferência de Heloisa Buarque de Holanda. Para a pesquisadora, a internet pode ser usada como ferramenta de incentivo a leitura.

“A cultura digital e a web em geral criam comunidades e tenho visto cada vez maiores as comunidades de leitores. A internet fez com que se perdesse o medo do texto. Isso é um tesouro, sobretudo para formação de jovens leitores”, ressaltou Heloísa.

A conferência foi mediada pela professora e organizadora do evento, Verbena Cordeiro.

Premiação

No último dia de Elluneb o público pôde conferir duas premiações: o Prêmio Paulo Freire — destinado a relatos de experiências de leitura; e o Prêmio Manoel de Barros — voltado para poéticas visuais da rede.

O Prêmio Paulo Freire — destinado ao relato de experiências de leitura inovadoras, a partir de contextos sociais diferenciados no estado — contou com seis finalistas. Já no Prêmio Manoel de Barros, que destacou poéticas visuais da rede, cinco poemas disputaram o primeiro lugar.

Com o Projeto Leitura Encantada: Ler para Viver e Conviver Melhor No Mundo, a professora Lorena Bárbara Santos Costa, da rede municipal de ensino, em Salvador, conquistou o Prêmio Paulo Freire e recebeu uma placa e um kit de livros da Editora da Universidade do Estado da Bahia (Eduneb).

“Este prêmio representa o reconhecimento do nosso trabalho e é uma forma de valorizar e incentivar nós educadores a cada vez mais nos empenharmos nas nossas pesquisas”, comemorou a vencedora.

O segundo lugar ficou com o professor Marcos José de Souza, que concorreu ao prêmio com o relato Na Trilha D’os Sertões: Pelos Caminhos da Leitura, Nas Estradas da Vida. A professora Jussara Rocha Nascimento conquistou a terceira colocação com o Relato de Experiência Vem Ler Comigo – Estimulo à Leitura Pela Escuta.

O poema vencedor do Prêmio Manoel de Barros foi “Senso Comum”, do professor de língua portuguesa do Campus XIV da UNEB, em Conceição do Coité, Robson Batista Lima. O segundo lugar da premiação ficou com o discente Vinicius Anselmo Goés com o poema “Notas sobre progresso, verso inverso”.

Extensa programação

A quinta edição do Elluneb abordou o tema Leitura e Literatura: do centro às margens, entre vozes, livros e redes. O evento reuniu especialistas de todo o país que atuam na formação de leitores e realizam pesquisas sobre as práticas de leitura e literatura na educação.

Destaque para a participação da professora (PUC-Rio), Eliana Yunes, que ministrou a conferência de abertura do evento. Eliana desenvolve pesquisas na área de educação, políticas públicas e administração cultural, atuando, principalmente, na linha de formação de leitores em perspectiva interdisciplinar.

O 5º Elluneb vai contar ainda com a participação Cidinha da Silva, fundadora do Instituto Kuanza e autora de publicações sobre a causa negra e relações de gênero. a escritora integrou a mesa-redonda Literatura, Alteridade e Políticas Afirmativas ao lado do poeta Sergio Vaz (Cooperifa) e da professora Luciana Moreno (UNEB).

A programação do evento reservou ainda painéis de comunicação e pôsteres, atividades culturais, exposição de fotos e mais mesas-redondas sobre temas como Leitura e literatura nas redes, e Oralidades: tradição e contemporaneidade, além da exibição do documentário Mãe Stella: Bênçãos e Letras, em homenagem a Ialorixá do Ilê Axé Opô Afonjá.


Notícias relacionadas



Envie uma mensagem: