POR Ascom/Toni Vasconcelos, 05 mai 2014, 20H26

Com o Censo, SEAVI constata: a UNEB desconhecia a UNEB

REPORTAGEM ESPECIAL

Toni Vasconcelos
Núcleo de Comunicação
Assessoria de Comunicação

ivan_dh

Primeiro desafio da nova secretaria especial foi coordenar os dados para o Censo 2013 do INEP.

A Assessoria de Comunicação (ASCOM) inicia, com esta matéria, uma série especial de reportagens sobre os novos setores criados na atual gestão da UNEB, já aprovados pelo Conselho Universitário (CONSU). A proposta é oferecer um panorama geral, embora breve, de cada unidade, suas competências, estrutura e equipe, principais projetos e perspectivas, contextualizando-a em relação às crescentes demandas da comunidade acadêmica e da sociedade e dentro dos objetivos da administração universitária.

———

“Quando começamos o trabalho, tivemos uma surpresa: percebemos o quanto a UNEB desconhecia a UNEB.”

A afirmação traduz boa parte do imenso desafio que caiu nas mãos da recém-criada Secretaria Especial de Avaliação Institucional (SEAVI), coordenada pelo professor Ivan Novaes. Além do docente, compõem o quadro o doutorando em Educação e Contemporaneidade (PPGEduC) Breno Carneiro e o técnico administrativo Rodrigo Ferreira.

Logo após a criação da SEAVI, surgiu o primeiro grande desafio da secretaria: organizar os dados da universidade que seriam encaminhados ao Censo da Educação Superior. E nesse momento, conta o professor Ivan, “nos perguntamos, por exemplo, quantos cursos a UNEB possuía, e os números não batiam. Em cada fonte que consultamos, um quantitativo diferente. O desafio era corrigir essas inconsistências”, destaca.

Mas se engana quem deduzir que o trabalho da SEAVI será limitado a coletar, organizar e disponibilizar os dados desta gigante e diversa instituição pública. O professor Ivan adianta que a secretaria pretende atuar sempre coletivamente, dialogando e articulando-se com os vários setores e os departamentos da universidade. “Nossa ação será de avaliação, de diagnóstico, mas também de propor alternativas para o enfrentamento dos problemas detectados em cada setor”, garante.

A criação de uma Secretaria de Avaliação Institucional com status de pró-reitoria – porém com estrutura e custos operacionais bem mais enxutos – é uma iniciativa pioneira entre as universidades estaduais na Bahia. No estado, apenas a UFBA dispõe de uma instância administrativa similar. No Brasil, o professor Ivan identificou duas instituições que possuem setor com igual nome e competências, as universidades federais do Rio Grande do Sul (UFRGS) e de Juiz de Fora (UFJF). “Acredito que podemos servir de inspiração para outras instituições que queiram criar suas secretarias de avaliação”.

Quanto à antiga Comissão Própria de Avaliação da UNEB, o professor Ivan esclarece que a SEAVI não substitui a CPA, a qual continua com suas atividades e atribuições regimentais de sempre.

Instituídas pelo Ministério da Educação (MEC) em 2004 como parte integrante do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes), as CPAs devem funcionar obrigatoriamente em todas as instituições de ensino superior do país. Como têm atuação autônoma e são compostas por representantes dos segmentos da comunidade acadêmica e da sociedade, essas comissões estão incumbidas de conduzir e legitimar os processos internos de avaliação.

“Queremos colaborar com o trabalho da CPA. Nossa primeira ação quando assumimos a SEAVI foi procurar a comissão e propor uma articulação de esforços. O primeiro trabalho conjunto que estamos realizando é o Censo do Inep, tarefa que envolve quase toda a universidade”, afirma o coordenador.

Informações precisam fazer sentido

Promovido em todo o país pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), vinculado ao MEC, o Censo da Educação Superior foi o primeiro teste dessa capacidade de articulação e de mobilização proposto à SEAVI, já em fevereiro deste ano.

Considerando o êxito alcançado até agora na participação de docentes e discentes na etapa inicial da tarefa, pode-se deduzir que a equipe do professor Ivan Novaes foi aprovada.

c_ivan1

Ivan Novaes coordena a SEAVI

Para executar tão volumosa atividade, que envolve todos os campi e unidades da instituição, obviamente que o reduzido grupo da SEAVI precisou atrair o apoio de muitos parceiros. “Constituímos, de imediato, uma equipe de acompanhamento do Censo, com representantes da CPA, PROGRAD (Pró-Reitoria de Ensino de Graduação), SGC (Secretaria Geral de Cursos), UDO (Unidade de Desenvolvimento Organizacional), PGDP (Pró-Reitoria de Gestão e Desenvolvimento de Pessoas) e UNEAD (Unidade de Educação a Distância)”.

Apesar de exaustivo, o trabalho veio a calhar para a SEAVI. “Aproveitamos o manto do censo para melhor conhecer a UNEB. É um grande esforço de todos os envolvidos, estamos contando curso a curso da universidade, tanto os regulares quanto os oferecidos em programas especiais”, avalia o coordenador.

Conforme o professor Ivan, o Censo também está permitindo identificar muitas inconsistências nos dados institucionais da universidade. “As informações precisam fazer sentido para as pessoas, precisam ser coerentes, transparentes e fidedignas”. Por isso, assegura, todos os dados estão sendo checados antes de serem enviados ao INEP.

Meta é melhorar todas as notas

Em poucos meses de criada, a SEAVI pode ostentar um portfólio significativo, o que comprova o acerto da atual administração em propor ao CONSU a criação da unidade, que está vinculada diretamente à Reitoria.

Além dos resultados positivos obtidos na condução competente das múltiplas tarefas do Censo da Educação Superior, a secretaria já conseguiu regulamentar a indicação de um pesquisador institucional da UNEB junto ao INEP, que será o responsável por alimentar os dados da universidade; de um procurador institucional para tratar com o MEC, e de um representante institucional da universidade no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) desse ministério.

Para a satisfação dos membros da SEAVI, a comunidade universitária já começa a vislumbrar os bons frutos que devem resultar do trabalho da nova secretaria especial. “Gestores e pessoas de diferentes setores da UNEB estão nos procurando para discutir formas de melhor organizar e otimizar o uso das informações concernentes às suas unidades de trabalho. Como lidamos com dados, informações, nossa ação praticamente permeia todo o tecido da universidade”, destaca o professor Ivan.

Entusiasmada e motivada com esse rápido e favorável feedback recebido da comunidade, a equipe da SEAVI sonha alto, mas mantém os pés no chão. “Nossa meta é melhorar todas as notas da UNEB nos sistemas de regulação e rankings governamentais, como do INEP e do e-MEC“.

Atualmente, a nota média da UNEB é 3 com viés de queda. Abaixo desse patamar, a instituição perde o status de universidade e passa a ser um centro universitário. Porém, o professor Ivan diz estar confiante e que, através de um trabalho consistente transversal, articulado com os demais setores, seguramente a UNEB vai conseguir elevar suas pontuações. “Não vamos fazer isso para atender ditames de mercado, mas para que esses indicadores melhorados traduzam verdadeiramente uma melhoria efetiva na qualidade de nossa UNEB”, ressalta.

Contato:
Secretaria Especial de Avaliação Institucional (SEAVI)
Prédio da Reitoria, no Campus I, em Salvador.
Telefone: (71) 3117-2370.
E-mail do coordenador: ivanovaes@gmail.com.

Fotos: Juliana Cardoso/Ascom. Arte: Anderson Freire/Ascom


Notícias relacionadas



Envie uma mensagem: