POR Ascom / Danilo Oliveira, 27 nov 2013, 10H54

Documentário do Ceec e WebTV abre festival neste domingo (1º)

Danilo Oliveira
Núcleo de Jornalismo
Assessoria de Comunicação


O documentário Feminino Cangaço, fruto de parceria entre o Centro de Estudos Euclydes da Cunha (Ceec), órgão suplementar vinculado à Pró-Reitoria de Pós-Graduação (PPG) da UNEB e a WebTV.UNEB, núcleo da Assessoria de Comunicação (Ascom) da universidade, vai abrir a 6ª edição do Arraial Cine Fest, na sede do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), em Porto Seguro, no
próximo domingo (1º).

O festival é promovido pela Secretaria de Cultura e Turismo de Porto Seguro e será realizado por meio de parceria entre o Senac do município e as empresas Costa Central Eventos e Porto Seguro Conventio & Visitor’s Bureau.

“O festival é internacional e já se consolidou como um espaço consagrado, reconhecido pela produção cinematográfica nacional e que conta com a participação de representantes de vários estados brasileiros e de diversos países. É importante destacar que uma produção acadêmica, com orçamento modesto, foi reconhecida pela sua qualidade e convidada para abrir um evento desse porte”, ressalta o coordenador do centro, Manoel Neto, que dirigiu o filme em parceria com Lucas Viana (WebTV).

Ainda segundo o pesquisador, é fundamental que a universidade se reconheça no documentário e que perceba que os centros de pesquisas são eficazes, se reconhecidos academicamente e em orçamento, e podem ser importantes para a graduação, a pós-graduação e a extensão da UNEB.

Um novo cangaço

O longa-metragem já foi exibido durante o III Congresso Nacional do Cangaço, realizado em outubro, na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb), em Vitória da Conquista, e em 19 pontos de cultura do estado, por meio do Circuito Popular de Cinema e Vídeo (CPCV), em agosto.

O documentário reserva entrevistas com especialistas sobre a temática do cangaço, a exemplo do sócio fundador da União Nacional de Estudos Históricos e Sociais (Unehs), Antonio Amaury, dos pesquisadores Frederico Pernambucano de Melo, Luiz Ruben, Rosa Bezerra e Germana Gonçalves, além da filha e da neta de Lampião e Maria Bonita, Dona Expedita e Vera Ferreira, respectivamente.

Durante os 80 minutos do filme, são discutidos temas como as motivações para a entrada das mulheres no cangaço, seu papel dentro dos bandos, seus costumes, suas crenças, seus dramas pessoais, a sexualidade e as representações destas mulheres.

O projeto, que teve início em março de 2012, conta com filmagens nas cidades de Salvador, Paulo Afonso, Recife (PE), Aracaju (SE), São Paulo (SP), Piranhas (AL), além de visita a Grota do Angico, local da morte de Maria Bonita e Lampião.

“O filme traz uma nova visão sobre o cangaço, mais crítica e menos factual. Aqueles que desejam descobrir um novo cangaço, mais cheio de cor, mais delicado, que fuja do lugar comum das reproduções cotidianas, que venham prestigiar o documentário”, convida Lucas.

Circuito nacional de cinema

De acordo com a coordenadora da WebTV, Qhele Jemima, o filme representa um salto profissional para os integrantes da equipe, por consistir em uma produção de baixo custo desenvolvida pelo material humano da universidade e por apresentar a temática da mulher do cangaço ao grande público em todo o país.

“É fundamental ressaltar a importância do tema, do Nordeste, da mulher, da mulher do cangaço, que é relevante e deve estar em salas de discussão em âmbito nacional e também a capacidade que a universidade tem de produzir filmes e competir em iguais condições no circuito de cinema, quando há investimento para os seus núcleos, que são riquíssimos”, ressalta Qhele.

O documentário Feminino Cangaço foi lançado no dia 6 de junho, durante sessão gratuita realizada na Sala Walter da Silveira, localizada na Biblioteca Pública estadual, no bairro dos Barris, em Salvador. O filme foi também apresentado no Campus I da UNEB, em Salvador.

De acordo com os participantes do projeto, o longa-metragem deve ser exibido ainda  em cidades como Canudos, Paulo Afonso, Recife, João Pessoa (PB), Rio de Janeiro (RJ), Serra Talhada (PE) e Aracaju.

O filme conta com coprodução do laboratório audiovisual Épuras e apoio das Pró-Reitorias de Graduação (Prograd) e Extensão (Proex) da UNEB e da Diretoria de Audiovisual (Dimas) da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb), instituição vinculada à Secretaria estadual de Cultura (Secult).

Informações: Ascom/WebTV.UNEB – tel. (71) 3117-2390 e Ceec – tel. (71) 3321-5081.

Imagem (home): Divulgação


Notícias relacionadas



Envie uma mensagem: