POR Ascom/Wania Dias, 12 jun 2012, 15H25

Professor da UNEB recebe Medalha Zumbi dos Palmares nesta quarta (13)

Danilo Oliveira
Núcleo de Jornalismo
Assessoria de Comunicação


O professor Valdélio Silva, do Departamento de Educação (DEDC) do Campus I da UNEB, em Salvador, vai receber a Medalha Zumbi dos Palmares, na Câmara Municipal da cidade.

A solenidade de entrega da honraria será realizada amanhã (13), às 18h30, no plenário do órgão legislativo, localizado no centro antigo da capital. A homenagem foi proposta pela vereadora Marta Rodrigues.

“O professor Valdélio é referência na promoção do acesso de jovens negros e negras à universidade pública. É com muito orgulho que concedemos esse laureio ao docente, que enfrenta de forma digna e firme a realidade do racismo”, ressalta a vereadora.

A medalha é concedida às pessoas, grupos ou entidades que se destacam no combate à prática do racismo, discriminação e intolerância nos diversos setores da sociedade no estado da Bahia.“É uma honra receber esta medalha. Esse é o reconhecimento do meu trabalho na luta contra a discriminação, a intolerância e também como professor, pois trabalho esses temas dentro das minhas salas de aula”, destaca Valdélio.

Trajetória acadêmica

O pesquisador foi relator do projeto que instituiu o sistema de cotas etnicorraciais na UNEB, implantado pioneiramente no país pela universidade, em 2002, e adotado posteriormente por diversas instituições brasileiras.

Além de participar desta conquista, o professor possui carreira acadêmica marcada por estudos sobre a cultura e identidade da comunidade quilombola Rio das Rãs, localizada no município de Bom Jesus da Lapa.

O pesquisador não é o primeiro representante da UNEB a receber a Medalha Zumbi dos Palmares. No ano de 2009, o professor Jaime Sodré, também do Campus I, também foi agraciado com a honraria.

Valdélio Santos Silva é cientista social, mestre em sociologia e doutor em estudos étnicos e africanos, todos os títulos foram concedidos pela Universidade Federal da Bahia (Ufba). O pesquisador foi coordenador do Movimento Negro Unificado (MNU). Atualmente é professor adjunto da UNEB.

Sistemas de cotas na UNEB

Em reunião, realizada em abril deste ano, o Supremo Tribunal Federal (STF) julgou constitucional as cotas etnicorracias em universidades públicas. A UNEB, porém, já instituiu o sistema há quase 10 anos e os resultados confirmam o êxito da decisão.

Os estudantes que optam pelo sistema de cotas para ingressar na instituição têm desempenho similar aos discentes não-cotistas. Essa foi a conclusão da pesquisa Os egressos do sistema de cotas para negros da UNEB: impactos da ação afirmativa na trajetória e desempenho acadêmico, divulgada em 2011.

O estudo foi elaborado, a partir de 2008, pelo grupo de pesquisa Pós-colonialidade, educação, história, cultura e ações afirmativas (Firmina), vinculado à Pró-Reitoria de Pós-Graduação (PPG) da universidade.

O sistema de cotas da UNEB já beneficiou mais de 14 mil estudantes. Do total de vagas ofertadas pela universidade em todos os cursos de graduação e pós-graduação presenciais e a distância, 40% são destinadas para negros egressos da rede pública de ensino e outras 5% para indígenas.

Informações: vsilva@uneb.br.


Notícias relacionadas



Envie uma mensagem: